DIARIOS

DIARIOS

Analisar Franz Kafka, como nós agora o entendemos, à luz fulgurante de seu diário íntimo, seria prelibar um prazer que os leitores encontrarão à sua leitura. Convém, entretanto, fixar alguns pontos que ficaram apenas expressos em suas páginas, porémque ao leitor de nossos dias não serão familiares. O primeiro deles é o conflito psicológico que destrói a existência de Kafka, subvertendo-a completamente em seus mínimos valores, até ao ponto de que este grande criador acredite necessário recriar todas as coisas, nem que para isso tenha de olhar os sonhos pelo lado de dentro deles, e abandonar todas as coisas humanas (e o seu próprio corpo) ao seu trágico destino. Ao tomar consciência de si como homem válido, Kafka dá-se conta de que vive em uma comunidade judaica, excessivamente circunscrita dentro de suas próprias tradições, e cercada pelo ódio surdo que já nasceu em alguma parte e está prestes a desencadear-se sobre o seu povo. Esta certeza do flagelo, da hecatombe, é constante na obrade Kafka; ele pressente, como um iluminado, que o seu povo atrai sobre si, novamente, as iras divinas, que deve vergastá-lo porque se enclausurou no egoísmo do seu poder. O judeu Kafka, que saúda o sionismo como a salvação, que acredita que somentequando os judeus tiverem a sua pátria poderão reagir contra os seus detratores tradicionais e surgir aos olhos do mundo como um povo válido para a humanidade - ele sentia já, como dragomano, a avalancha que se formava em qualquer ponto ignorado, o ódio que se avolumava, e que afinal, pouco tempo após a sua morte, se abatia sobre a sua raça, dizimando-a horrivelmente, atingindo mesmo as três irmãs do escritor, assim como muitos amigos e parentes.
Editora: ITATIAIA EDITORA
ISBN: 8531903467
ISBN13: 9788531903465
Número de Páginas: 170
Acabamento: BROCHURA
Formato: 14.00 x 21.00 cm.
por R$ 25,00