FILHA, MÃE, AVÓ E PUTA

FILHA, MÃE, AVÓ E PUTA

Quando decidiu virar prostituta, no início dos anos 70, Gabriela Leite estudava Filosofia na USP, curso para o qual havia passado em segundo lugar. Ex-aluna dos melhores colégios paulistanos, leitora de Machado de Assis, Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre, tinha um emprego de secretária e morava com a mãe. Foi observando a rotina das mulheres que trabalhavam nas boates próximas aos barzinhos que frequentava nos arredores da faculdade - nos quais chegou a dividir mesas com a elite intelectual da época, entre eles o dramaturgo Plínio Marcos, o compositor Chico Buarque e o diretor teatral Zé Celso Martinez Corrêa -, que Gabriela sentiu-se atraída por aquele universo e passou a fantasiar sobre o que acontecia lá dentro. Movida pela "curiosidade e pelo desejo de uma revolução pessoal", optou pela vida de prostituta do "baixo meretrício", que assumiu sem qualquer constrangimento. Neste livro, Gabriela conta em detalhes sua surpreendente trajetória, que culminou com a criação da famosa marca de roupas Daspu e da Ong DaVida, símbolos hoje reconhecidos internacionalmente pelo trabalho irreverente e ousado na luta contra o preconceito e a discriminação da classe. Com franqueza e coragem, a autora fala nesta autobiografia de todos os tabus que aguçam a curiosidade do imaginário coletivo em torno da rotina das prostitutas. As fantasias sexuais dos clientes, o contato forçado com o sadomasoquismo, a relação com homens casados e cafetões, o uso de drogas como atenuante da rotina, a repulsa a clientes, orgasmo, tudo isso é abordado pela autora com absoluta naturalidade. Filha de um crupiê e de uma dona de casa de classe média, aluna dos melhores colégios públicos paulistanos, Gabriela conta que encontrou uma vida bem diferente daquela que imaginava quando decidiu ser prostituta. Desde quando começou a receber os primeiros clientes em 1973, num quartinho apertado na Boca do Lixo de São Paulo, até sua chegada à Vila Mimosa, famosa zona de prostituição carioca onde morou por mais de dez anos, a autora passou por momentos de perda e solidão e teve que encarar seus próprios preconceitos. "O maior preconceito é porque trabalhamos com sexo. Sexo é o grande problema, é o grande interdito das pessoas. E nós trabalhamos, fundamentalmente, com fantasia sexual, esse é o verdadeiro motivo da existência da prostituição. É um campo imenso. É uma babaquice dizer que só puta vende o corpo! E vender sua cabeça, quanto custa? O operário vender seu braço, quanto custa? Todo mundo vende sua força de trabalho, que está com seu corpo. Existe uma tendência de alguns estudiosos de se declararem a favor das prostitutas e contra a prostituição. Um contra-senso geral e total", diz Gabriela. O reconhecimento de Gabriela como líder da classe começou em 1979, quando ela organizou a primeira passeata de prostitutas do país, na Praça da Sé, em São Paulo, para protestar contra a repressão policial que, sob ordens da ditadura militar, se tornava cada vez mais violenta. "Eu era prostituta na Boca do Lixo quando um delegado começou a fazer uma grande e imensa repressão às prostitutas de São Paulo. Houve muitas detidas, duas desapareceram, uma das quais estava grávida", conta Gabriela, que faria então sua primeira aparição na imprensa, conseguindo depois o afastamento do referido delegado. Gabriela e as instituições que representa continuam lutando incansavelmente pela profissionalização das prostitutas. "Há um projeto de lei em andamento. Queremos outras relações de trabalho", explica. Mãe de duas mulheres e avó de uma menina, Gabriela fala também pela primeira vez neste livro com surpreendente coragem sobre suas relações familiares. "Em relação à minha família, tem uma coisa que eu fiz e me arrependi: eu não devia ter tido filhos. Eu não tenho vocação nenhuma para ser mãe e acabei cedendo às pressões, à imposição de que a mulher tem que ter filhos", admite.
Editora: OBJETIVA
ISBN: 8573029242
ISBN13: 9788573029246
Edição: 1ª Edição - 2009
Número de Páginas: 196
Acabamento: BROCHURA
Formato: 16.00 x 23.00 cm.