GRAVIDADE DA IMAGEM, A
Passe o mouse na imagem para ver detalhes Ampliar

GRAVIDADE DA IMAGEM, A

ARTE E MEMORIA NA CONTEMPORANEIDADE
A tarefa de elaborar a memória do sofrimento foi colocada mesmo como um dever em nossa época. Pudera. Findo o século xx, era preciso lidar com o acúmulo de genocídios e violações que os Estados totalitários impuseram sobre os sonhos revolucionários de liberdade que moveram tantas gerações. Em sintonia com seu tempo, a produção artística não se furtou a adentrar essa dimensão, emprestando à questão sua prática e sua reflexão. Com A gravidade da imagem: arte e memória na contemporaneidade, o professor e pesquisador Luiz Cláudio da Costa dá sua contribuição aos estudos sobre arte contemporânea, ao mostrar como uso do arquivo tornou-se decisivo como uma de suas mais importantes operações. Desdobramento de uma longa pesquisa em torno do tema, o livro se atém à inflexão histórica do “efeito arquivo”, o qual está relacionado ao questionamento institucional da arte efêmera dos anos 1970, para uma tendência, particularmente dos anos 1990 em diante, de utilizar o arquivo como um elemento de construção da memória social. Com isso, são ampliados e problematizados os procedimentos de classificação, indexação e inventariação tradicionalmente colocados, pois a arte rivaliza com a ciência à medida que trabalha com o arquivo utilizando operações próprias ao readymade, como, por exemplo, o deslocamento e apropriação. Não se trata mais de reconstituir o “fato”, de buscar a “prova”, mais converter o arquivo em “imagem”, fornecendo outras possibilidades de interpretação que este livro ajuda a decifrar. Em jogo estão as transformações no modo de percepção das imagens e do mundo trazidas pelo surgimento do aparelho fotográfico, que atestou nova dimensão aos procedimentos classificatórios da ciência ao alimentar a crença de que seria possível produzir um grande inventário de tudo o que é visível. Na arte, o arquivo fotográfico deve ser entendido a partir de outra semiótica da imagem, que não a reduz a seus signos visíveis. Produz-se uma zona de ambivalência em que a ausência enquanto um morto ganha sua potência ao operar um conjunto de disjunções em que atuam o manifesto e o latente, a presença e a ausência, a retenção e a perda.
Editora: QUARTET
ISBN: 8578120892
ISBN13: 9788578120894
Edição: 1ª Edição - 2014
Número de Páginas: 204
Acabamento: BROCHURA
Formato: 14.00 x 21.00 cm.
por R$ 39,00