LAMPADA DA MEMORIA, A

LAMPADA DA MEMORIA, A

Quase exatamente contemporâneo da Rainha Vitória, John Ruskin (1819-1900), o principal teórico da preservação na Inglaterra do século XIX, foi um dos maiores e mais perspicazes críticos das profundas transformações por que passava então o país.Excêntrico, reacionário, intransigente inimigo da industrialização, Ruskin foi de fato um dos maiores expoentes da crítica romântica, de cunho socialista, à sociedade capitalista industrial e suas evidentes mazelas - miséria generalizada, injustiça social, inchaço urbano, destruição da natureza, entre outras. Sua contribuição foi essencial para as reformas sociais, urbanísticas e de proteção ao meio ambiente, pouco a pouco conquistadas.Não menos importante do que a dimensão política do pensamentode John Ruskin é sua reflexão sobre o papel da arquitetura, e sua preservação, para a sociedade moderna; aspecto por vezes obscurecido pela aversão contemporânea ao exacerbado romantismo oitocentista, do qual constitui um dos pilares. A despeito de tal preconceito, seu pensamento aponta para várias questões ainda extremamente pertinentes para o debate arquitetônico atual. A presente tradução do Capítulo VI "A Lâmpada da Memória" de sua obra As Sete Lâmpadas da Arquitetura visa, precisamente, contribuir para o aprofundamento de tal debate.Em seu prefácio à edição de 1880 de As Sete Lâmpadas da Arqui­tetura, Ruskin afirmou nunca ter tido a intenção de republicar a obra, uma vez que os edifícios nela descritos tinham sido "demolidos, ou raspados [scraped] e remendados", descaracterizando-se "de uma forma mais trágica do que a ruína mais extrema".
Editora: ATELIE EDITORIAL
ISBN: 8574804061
ISBN13: 9788574804064
Edição: 1ª Edição - 2008
Número de Páginas: 88
Acabamento: BROCHURA
Formato: 12.50 x 20.00 cm.