LITERATURA E REALISMO EM GYORGY LUKACS
Passe o mouse na imagem para ver detalhes Ampliar

LITERATURA E REALISMO EM GYORGY LUKACS

OS EFEITOS DA INFLEXAO MARXISTA EM SUAS IDEIAS ESTETICAS
Para György Lukács, o humanismo é condição para a figuração literária do homem real. Ao figurar o homem real, o escritor rompe a casca fetichizada do capitalismo e desmascara a degradação. Desse modo, reflete concretamente em sua obra uma revolta contra a desumanização capitalista, até mesmo a despeito de sua consciência. Nisto se resume o verdadeiro partidarismo da arte. Contudo, em termos literários, essa figuração se realiza apenas pela criação de uma ação verdadeira. Pela ação pode a arte cumprir a sua missão desfetichizadora, na medida em que dissolve o mundo numa viva ação recíproca dos próprios homens: "A profundidade da intuição estética, da aproximação realista à realidade, é sempre constituída - qualquer que seja a concepção de mundo formulada pelo escritor em termos de pensamento - pelo impulso a nada aceitar como resultado morto e acabado e a dissolver o mundo numa viva ação recíproca dos próprios homens. Portanto, todo realismo verdadeiro implica na ruptura com a fetichização e com a mistificação." Nesta apreensão estética, entrevemos a aproximação de Lukács a Marx, pelo reconhecimento de que o mundo humano objetivo e subjetivo é produzido pela ação humana.
Editora: ZOUK
ISBN: 8580490359
ISBN13: 9788580490350
Edição: 1ª Edição - 2016
Número de Páginas: 424
Acabamento: BROCHURA
Formato: 16.00 x 23.00 cm.
por R$ 75,00