O ANO EM QUE SONHAMOS PERIGOSAMENTE
Passe o mouse na imagem para ver detalhes Ampliar

O ANO EM QUE SONHAMOS PERIGOSAMENTE

Este novo livro do filósofo esloveno Slavoj Žižek, oferece uma análise crítica de 2011, o ano em que sonhamos perigosamente , como já aponta o título, e no qual emergiu uma série de mobilizações globais de caráter contestatório. A obra dá continuidade ao trabalho de reelaboração teórica já anunciado nos livros Em defesa das causas perdidas e Vivendo no fim dos tempos.Invocando a expressão persa war nam nihadan - matar uma pessoa, enterrar o corpo e plantar flores sobre a cova para escondê-la - a fim de descrever o atual processo de neutralização desses acontecimentos e seus significados, Žižek coloca-se diante da difícil tarefa de pensar a conjuntura global sob uma perspectiva renovadora. Por isso, tem sido considerado um dos mais originais e provocativos teóricos da contemporaneidade.A forma aberta e o estilo ensaístico despojado desta coletânea de oito ensaios sustentam o obtuso equilíbrio entre uma articulação interdisciplinar e o que o jornalista Ivan Marsiglia, que assina a orelha do livro, descreve como a ousadia de uma abordagem totalizante da realidade social, em tempos de saberes hiperespecializados . Não é à toa que o livro remete também ao complexo conceito de mapeamento cognitivo desenvolvido por Fredric Jameson, um dos expoentes atuais desta tradição teórica.Os dois ensaios iniciais, Da dominação à exploração e à revolta e O trabalho de sonho da representação política , tecem justamente considerações sobre o capitalismo atual e apresentam o desenvolvimento de uma teoria global dos impasses da representação ideológico-politica. Já os quatro ensaios centrais O retorno da má coisa étnica ; Bem-vindo ao deserto da pós-ideologia ; Inverno, primavera, verão e outono árabes ; e Occupy Wall Street, ou o silêncio violento de um novo começo concentram-se na análise detida dos diversos movimentos que marcaram 2011.Sua análise esquadrinha tanto o que chama de sonhos emancipatórios (Primavera Árabe, Occupy Wall Street, levantes em Londres e Atenas) como os sonhos destrutivos que motivaram, por exemplo, a chacina de Anders Breivik, na Noruega, e outros movimentos racistas e ufanistas que eclodiram por toda a Europa. O desafio está em situar a multiplicidade dos acontecimentos no interior do campo de forças produzido pelo capitalismo. Para decifrar a circulação autopropulsora do capital , que hoje prescinde até da burguesia e dos trabalhadores, Žižek reafirma, em termos freudianos, a ideia de luta de classes: assim como diz Freud a respeito da sexualidade, não é que tudo se resuma à luta de classes, mas a luta de classes se faz presente em tudo , interpreta Marsiglia.Os ensaios The Wire, ou O que fazer em épocas não eventivas e Para além da inveja e do ressentimento refletem, a partir da cultuada série americana The Wire e de uma análise mais detida do pensamento do filósofo Peter Sloterdijk, sobre o desafio de combater o sistema sem contribuir para aprimorar seu funcionamento. Por fim, em Sinais do futuro Žižek anuncia um descontentamento subterrâneo em marcha e, prevendo uma nova onda de revoltas, situa o ano de 2012 em um presente que guarda o potencial oculto de um futuro utópico, manifesto em fragmentos limitados, distorcidos e até pervertidos.
Editora: BOITEMPO EDITORIAL
ISBN: 8575592904
ISBN13: 9788575592908
Edição: 1ª Edição - 2012
Número de Páginas: 144
Acabamento: BROCHURA
Formato: 16.00 x 23.00 cm.
por R$ 38,00