PÉPLUM
Passe o mouse na imagem para ver detalhes Ampliar

PÉPLUM

Considerado um dos maiores nomes do quadrinho francês contemporâneo, Blutch mistura seu traço alucinante com elementos do clássico Satiricon, de Petronio, William Shakespeare, Fellini e Robert Crumb .Durante o Império Romano, um grupo de ladrões descobre uma bela mulher em uma caverna, presa em um gigantesco bloco de gelo. Eles discutem o que fazer com ela, mas se afundam em intrigas e acusações. Apaixonado pela mulher congelada, o jovem Públio Cimbro inicia uma estranha e perigosa jornada para a capital. Frases de imprensa:“Blutch é um mestre. Nenhum outro cartunista se apresenta com um virtuosismo tão casual.”– Craig Thompson, autor de Retalhos (Quadrinhos na Cia., 2009)“Ambíguo e aterrorizante, este é um conto brutal, não apenas de perseverança, traição e amor equivocado, mas também de um reino que não pode mais se sustentar”– The Guardian“Nas mãos do incrível Sr. Hincker (que usa o pseudônimo Blutch), um simples lápis assume as qualidades de uma varinha mágica.”– The New York Times“A surrealista visão de Blutch do Satyricon é alimentada por esse feitiço de loucura alienada. Diversas vezes, Publius faz uma escolha errada após a outra. Ele rejeita amantes em favor da Deusa, mas às vezes rejeita a Deusa em favor das amantes. Sua ideologia, como a violência nos quadrinhos de Blutch, é dispersa, desesperada e se estica para arranhar e estrangular a carne que envolve o ser.”– The Comics Journal“Requintada, a arte de Blutch traduz batalhas, orgias e conversas em linhas densas e manchadas.”– Publishers Weekly“Blutch arremessa tinta em um impulso de fúria e luxúria, esboçando uma jornada que é parte mito, parte pesadelo e parte romance dramático.”– The Globe“Existem certas fadas que se apoiaram sobre certos berços para conceder o dom da música para Mozart e o dom do desenho para Blutch”– Patrice Leconte, cineasta francês e quadrinista da revista Pilote“Quando começou a serializar Péplum em 1996, Blutch era um talento para ficar de olho, um rapaz de 28 anos admirado pela expressividade de seus traços e seus experimentos com a lógica onírica e o surrealismo (chamavam ele de “meio Jacques Demy e meio Buñuel), mas ainda não havia se tornado o herói de uma geração de cartunistas.”– Edward Gauvin, tradutor da edição norte-americana
Editora: VENETA
ISBN: 8595710651
ISBN13: 9788595710658
Edição: 1ª Edição - 2020
Número de Páginas: 160
Acabamento: CAPA DURA
Formato: 21.00 x 28.00 cm.
por R$ 79,90