SOPRO DE DESTRUIÇAO, UM - PENSAMENTO POLITICO E CRITICA AMBIENTAL NO BRASIL ESCRAVISTA - 1786-1888
Passe o mouse na imagem para ver detalhes Ampliar

SOPRO DE DESTRUIÇAO, UM - PENSAMENTO POLITICO E CRITICA AMBIENTAL NO BRASIL ESCRAVISTA - 1786-1888

As conseqüências sociais, econômicas e políticas da devastação das florestas, erosão e esgotamento dos solos, degradação do clima, extinção das espécies animais e vegetais. Pauta do dia? Sim, desde 1786. Muito antes do que se costuma imaginar, já se criticava no Brasil, de forma consistente e criativa, a destruição do meio-ambiente. Nomes como José Bonifácio e Joaquim Nabuco, entre vários outros, dedicaram-se ao debate ambiental e perceberam que a superação das práticas devastadoras passava necessariamente pela implementação de reformas socioeconômicas profundas, que rompessem com o legado do colonialismo: o tripé escravidão-latifúndio-monocultura. Analisando cerca de 150 textos da época, produzidos por mais de 50 autores, Um sopro de destruição reconstitui pela primeira vez, de maneira lúcida e abrangente, a crítica ambiental nos séculos XVIII e XIX, praticamente esquecida na história do pensamento social brasileiro. Um alerta para a questão ambiental no Brasil.
Editora: ZAHAR
ISBN: 9788571106581
ISBN13: 9788571106581
Edição: 2ª Edição - 2004
Número de Páginas: 320
Acabamento: BROCHURA
Formato: 16.00 x 23.00 cm.