VITROLA DOS AUSENTES

VITROLA DOS AUSENTES

O livro 'Vitrola dos Ausentes', de Paulo Ribeiro, originalmente publicado em 1993, chama a atenção pela exuberância da narrativa. A novela alcança uma linguagem que é fiel aos seus personagens 'ausentes'. Ausentes, modo de dizer. Há uma multidão no livro a vagar sem horizontes, a tropeçar com o 'futuro', desprovidos que são de qualquer ambição na vida. Mas a graça, a pureza e inocência que esse narrador expressará é que dá no excelente tom dessa sua 'vitrola'. Se aos seus 'ausentes' cabe tão-somente viver, então que vivam. Não há juízo de valor. Façam e desfaçam de suas vidas. É tocante ver como essa gente se humaniza aos deus-dará, se humaniza às voltas e às tontas com a sua sem-perspectiva. O personagem principal da novela pode ser a própria cidade, que se permite ao desfile dessa multidão de Zoinhos, Zulmiras, Belpinos e mais outros tantos. E há o olhar inocente dos meninos pelados, crias de um cabaré (crias daquele ambiente árido na paisagem, que remete ao realismo de um Graciliano Ramos). E esse olhar assume o exato sentido que pode ter uma vitrola (instrumento alegre, porta-voz de vida nos cabarés). Um olhar que roda e envolve e dá a forma circular da narrativa. E remete o leitor ao jogo do elíptico do texto. Por isso, cadafaixa do 'disco' traz um fato, um amor, um crime, a traição, a morte e tantas outras miudezas que nos cabem como destino. São seres menores alçados à condição de grandes protagonistas, pelo menos na literatura. E nada passa - o detalhe observado, a gente, o meio, a fala, tudo resulta na exuberância bruta. Um painel de ausentes feito de linguagem.
Editora: ATELIE EDITORIAL
ISBN: 8574802697
ISBN13: 9788574802695
Edição: 1ª Edição - 2005
Número de Páginas: 126
Acabamento: BROCHURA
Formato: 13.00 x 21.00 cm.
por R$ 36,00